Você está aqui: Página Inicial / Falta dinheiro e sobram dívidas: administrador dá dicas de gestão eficiente nas prefeituras

Falta dinheiro e sobram dívidas: administrador dá dicas de gestão eficiente nas prefeituras

por gabriel publicado 11/02/2019 16h15, última modificação 11/02/2019 16h14

Estados e municípios devem R$ 908 bilhões para a União, praticamente uma dívida impagável.

Tudo bem que já estamos em fevereiro, mas muitos gestores ainda quebram a cabeça sobre o que fazer para “tocar a máquina pública” diante da falta de recursos. O Governo Federal está sob na direção e os anúncios são de que, dinheiro fácil para governos e municípios, isso não será uma realidade em 2019.

Para falar sobre a gestão pública e como os gestores profissionais iniciantes devem fazer para administrar uma cidade, o Conselho regional de Administração de Mato Grosso do Sul (CRA-MS) fez uma breve entrevista com o Administrador Izael Williams Salgado Fernandes. Ele é conselheiro regional de Administração e Secretário de Fazenda no município de Amambai, interior do Estado.

De acordo com ele, “uma gestão eficiente se começa com transparência e foco nos interesses públicos, assim como mapear as oportunidades e dificuldades de cada região”, ressalta o administrador, que tem qualificação em gestão pública e privada, teologia, metodologia da educação e técnica em agropecuária. Sem dúvida, as prefeituras de todo o país passarão por um ano de provações. Segundo especialistas, sobreviverá aquela que tiver gestores profissionais e isso se faz com uma administração séria desenvolvida por profissionais que atuam na legalidade, ou seja, com o devido registro junto ao CRA.

O Tesouro Nacional propôs, no fim de 2018, uma série de medidas para tornar mais rígidas as regras para municípios e governos “pegarem” dinheiro da União. Isso depois da divulgação de um número praticamente impagável aos olhos de quem conhece de gestão financeira. Acreditem, os estados e municípios devem a União, a bagatela de R$ 908 bilhões. Isso mesmo, quase um trilhão de reais. E esse número pode aumentar se a gestão pública continuar do jeito que está.

Segundo o levantamento do próprio Tesouro Nacional, “entre 2005 e 2016, a média do crescimento real com gasto de pessoal, ativos e inativos (funcionários), para os Estados foi de 57%. Em cinco Estados do país, variação real desse gasto total com pessoal per capita ultrapassou os 80%. A título de comparação, o PIB, (Produto Interno Bruto) real, cresceu 52,61% no mesmo período”. Outro dado que preocupa foi a lei sancionada no fim de 2018 onde autoriza prefeitos gastarem mais de 60% com pessoal, ultrapassando o limite prudencial previsto pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Ou seja, é muita dívida para pouca gestão tanto em governos quanto nos municípios. Confira a entrevista com o Adm. Izael Williams Salgado Fernandes e fique por dentro das dicas para quem está iniciando na gestão pública ou para quem ainda não se encontrou nesse meio:

CRA-MS - Como prefeitos e secretários podem agir diante de um novo governo federal que se inicia no Brasil, em relação a recursos financeiros?

Adm. Izael Williams - Devem primar por uma gestão séria, transparente com foco no interesse publico, revisando o Plano Diretor do Município para identificar possíveis falhas, erros e novos potenciais de desenvolvimento Sustentável, para construir uma cultura que gera eficiência, eficácia e efetividade na gestão dos recursos públicos.

CRA-MS - Como iniciar um choque de gestão no município que teve sérios problemas financeiros em 2018?

Adm. Izael Williams - Estabelecer prioridades de investimentos através do mapeamento das potencialidades e deficiências estruturais. Isso só é possível com cérebros de obras, ou seja, servidores comprometidos com a cultura da qualidade na prestação de serviços públicos, e com mínimo de mão de obra possível para executar as tarefas e funções administrativas. Uma das primeiras qualidades de um profissional de gestão é estar devidamente registrado no seu conselho de classe, pois isso garante a legalidade da sua atuação. Se um profissional de gestão não tem registro no seu conselho e atua na ilegalidade, como ele adotará uma postura séria e transparente nas suas atividades? É praticamente inviável esse pensamento e na gestão pública tudo deve ser na legalidade dos atos.

CRA-MS - Como fazer uma gestão financeira na prefeitura, de forma eficaz, para cumprir os compromissos com fornecedores? Historicamente um município atrasa os pagamentos e isso pode encarecer qualquer serviço ou produto.

Adm. Izael Williams - Estabelecer prioridades, seriedade e respeito com todos: Planejamento Financeiro. Não há outro cominho. Quando falamos sobre respeito, estamos incluindo servidores e fornecedores, e equilíbrio dos investimentos. Pensar globalmente e agir localmente. Metas a longo prazo. Não adianta o município querer ir além de suas possibilidades e somente um profissional altamente qualificado conseguirá converter o conhecimento na prática da gestão pública.

CRA-MS – Qual sua dica para os prefeitos que ainda não entenderam a importância de ter bons administradores na equipe?

Adm. Izael Williams – Comece por agora, neste exato momento. Organize sua equipe com técnicos responsáveis, com pessoas que possuam amplo conhecimento na gestão pública. Será mais vantajoso para o município e para a população. Dentro da equipe que administra uma cidade, há diversas funções e uma delas é para o administrador. Ele irá planejar e executar os passos do município na execução de tudo e qualquer serviço público, bem como administrar os recursos da população convertendo isso em benefícios e melhor qualidade de vida. Finalizo dizendo que todos só têm a ganhar quando uma gestão é profissional e de qualidade.

Publicações

.